Skip to main content

Florada do café: proteja sua lavoura do complexo de doenças

A florada é uma fase muito importante no cafezal, em que o produtor pode aproveitar 100% do potencial produtivo. No entanto, as alterações climáticas e o ataque de patógenos são grandes desafios do cafeicultor nessa etapa

Publicado 15-10-2021 10:01:27

Linkedin Whatsapp
Florada do café

A florada do café é uma das etapas mais fascinantes da agricultura, e o melhor aproveitamento dela traz uma alta produtividade ao cafezal. Após o estresse climático, com períodos de estiagem, frio e vento, os cafeeiros se enchem de flores brancas com a chegada das chuvas.

Apesar das adversidades climáticas dos últimos anos, as estações do ano costumam ser bem definidas no Brasil, o que gera, na maioria das vezes, uma única e grande florada no campo, contribuindo para uma maturação mais uniforme e um grão de melhor qualidade.

No entanto, é necessário ter atenção ao ataque do complexo de doenças, incluindo a mancha-de-Phoma (Phoma costaricensis), que pode trazer sérios prejuízos para a lavoura, causando perdas de até 50%.

Características da mancha-de-Phoma

A mancha-de-Phoma é uma doença extremamente relevante na cafeicultura. Ocorre principalmente em regiões de altitudes mais elevadas e está muito associada a algumas condições climáticas, como temperaturas mais baixas, presença de umidade e de ventos frios. Seu impacto econômico vem aumentando nos últimos anos devido à severidade com que atinge o campo.

A doença causa lesões às margens das folhas, com pequenas pontuações marrom-escuras que impossibilitam o crescimento da planta, deixando-a retorcida. A disseminação pode ocorrer por respingos de água das chuvas ou por irrigação.

A mancha-de-Phoma pode atacar folhas, flores, frutos e ramos do cafeeiro, apresentando lesões como:

  • Seca de ponteiros: o patógeno entra na folha nova e vai secando todo o ramo, do início até a base, deixando um aspecto queimado;

  • Mumificação dos chumbinhos: depois da florada, pode acontecer o apodrecimento dos chumbinhos, que ficam secos e inviáveis para a formação do fruto.

Por isso, a melhor forma de proteger a produtividade do café é realizar os manejos pré e pós-florada com a aplicação de um fungicida sistêmico, respeitando o intervalo de aplicação para garantir o total controle da mancha-de-Phoma e de outras doenças nesse período tão delicado do cafezal.

Outras doenças do café

Apesar de a mancha-de-Phoma ser a principal doença do complexo, outros patógenos podem atacar a lavoura:

Mancha aureolada (Pseudomonas garcae): causada por uma bactéria, origina manchas de coloração marrom-escura com a presença de um anel amarelo. Provoca requeima nos ramos e necrose nos frutos infectados.

Cercosporiose (Cercospora coffeicola): os sintomas aparecem nas folhas e nos frutos, podendo derrubar tanto os que estão em formação como ocasionar a queda de qualidade dos que já estão granados. Aparece em regiões com altas temperaturas e chuvas seguidas de veranicos.

A melhor solução para o pré e pós-florada

Para o melhor controle da mancha-de-Phoma e do complexo de doenças do café, a aplicação de um fungicida sistêmico com atividade predominantemente preventiva, mas que também apresente ação curativa e antiesporulante, é a recomendação ideal para o manejo pré e pós-florada.

Priori Top®, da Syngenta, é uma excelente ferramenta nesse período da cultura do café, proporcionando a proteção necessária para a florada, dando condições à formação de bons frutos e, claro, à conquista de uma boa colheita.

Além disso, Priori Top® conta com três grandes diferenciais no manejo da lavoura:

  • Flexibilidade: pode ser aplicado em diferentes estádios da lavoura, o que facilita a rotina do cafeicultor;

  • Amplo espectro: oferece alta eficiência no controle da mancha-de-Phoma e do complexo de doenças; [1] 

  • Potência: a sua inovadora fórmula tem dois princípios ativos, que potencializam o controle por meio de um efeito residual prolongado.

Com Priori Top®, é fundamental que o cafeicultor respeite o intervalo de aplicação de 25 a 30 dias até a segunda aplicação, na pós-florada, para que a proteção da lavoura seja completa e atinja resultados superiores.

Além disso, o monitoramento também deve fazer parte do manejo, a fim de verificar a evolução da doença nos cafezais e auxiliar na melhor tomada de decisão no campo.

Inovação é o conceito que está no DNA da Syngenta quando o assunto é superar os desafios da lavoura. Conte com o nosso portfólio completo de produtos e alcance o máximo potencial produtivo do campo, com tecnologias eficazes e de alta performance.

NAO TEM SEGUNDO BANNER

Conteúdos Relacionados

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta