Skip to main content

Cana: seletividade e flexibilidade no controle de daninhas

Produtores devem adotar a aplicação de herbicidas pré-emergentes para evitar o aparecimento de plantas invasoras, que são grandes ameaças ao bom desenvolvimento e à alta produtividade da cultura de cana-de-açúcar

Publicado 07-06-2021 17:47:36

Linkedin Whatsapp
Plantas daninhas ameaçam a produtividade da cana

A cana-de-açúcar é uma cultura de grande importância nacional, visto que o Brasil é o maior produtor mundial. Para atingir bons resultados, os produtores precisam estar atentos às ameaças capazes de reduzir a sua rentabilidade, como a presença de plantas daninhas, que podem comprometer até 85% da produção.

As invasoras competem com a cultura vigente pelos recursos disponíveis – como água, luz, nutrientes e espaço – e podem produzir substâncias tóxicas que prejudicam o desenvolvimento saudável da lavoura. Como se adaptam facilmente às condições críticas e de estresse, essas plantas geralmente formam um sistema radicular profundo, que favorece um rápido desenvolvimento aéreo, fazendo com que a cana seja sombreada por elas, caso não sejam controladas.

Além disso, as ervas daninhas também podem hospedar pragas e doenças e dificultar a colheita, já que causam bloqueios nos dispositivos das colheitadeiras, podendo, inclusive, danificar as máquinas.

Sendo assim, o crescimento dessa ameaça junto aos canaviais interfere no desenvolvimento da lavoura, o que reduz a produtividade agrícola e, consequentemente, gera um custo maior para o produtor. Quanto mais tempo as infestantes conviverem com a cana, maior será o impacto negativo.

Herbicida seletivo para o controle de daninhas na cana

Controlar as plantas daninhas sem provocar danos à cana-de-açúcar é um grande desafio para o agricultor, uma vez que ela é uma gramínea, assim como muitas das ervas que atacam o canavial. O produtor que não se atentar aos cuidados adequados pode acabar prejudicando ainda mais a lavoura.

A forma mais efetiva de evitar que as daninhas infestem a plantação é utilizar um herbicida seletivo, que controle as invasoras de forma precisa e sem afetar a cana, facilitando a vida do produtor e livrando o canavial de prejuízos.

 

Capim-braquiária é uma ameaça para lavouras de cana

É essencial que o produto tenha eficácia tanto no ciclo da cana-planta, quanto na cana-soca. Fora isso, o herbicida deve ter um efeito residual longo, proporcionando uma lavoura limpa por mais tempo.

A Syngenta reconhece que os canavicultores precisam dispor de tecnologias que entreguem proteção e rentabilidade, controlando com efetividade as daninhas da cana. Alinhada às necessidades latentes do campo, a empresa investiu em tecnologia para o desenvolvimento de Grover, solução que ajuda o produtor a manter a cultura da cana em pleno desenvolvimento.

Acabe com as daninhas de uma vez por todas com Grover

Direcionado ao setor sucroalcooleiro, Grover é um graminicida de aplicação pré-emergente, ou seja, utilizado para controlar as plantas daninhas antes do seu surgimento. O produto foi pensado para eliminar as invasoras que concorrem por nutrientes essenciais na lavoura, facilitando o crescimento saudável do canavial.

Entre os principais benefícios do herbicida, estão:

  • Aplicação tanto na semiúmida como na semisseca;
  • Amplo espectro e longo residual;
  • Alta seletividade para a cana-de-açúcar.

Isso tudo traz flexibilidade ao produto, que pode ser aplicado na cana-planta e na cana-soca. Além disso, trata-se de um herbicida de pouca volatilidade; por isso, é seguro para as culturas vizinhas.

Grover é flexível e seletivo

Com a sua tecnologia moderna e longo efeito residual, que representa maior período de atividade do defensivo contra as plantas daninhas, Grover assegura a proteção da cana em sua fase de maior exposição. 

O produto atua em diferentes camadas do solo, com alta e baixa solubilidade ao mesmo tempo, o que permite um amplo espectro no controle de daninhas de sementes grandes e pequenas, como:

  • Capim-brachiaria (Brachiaria decumbens);
  • Braquiarão (Brachiaria brizantha);
  • Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea);
  • Capim-colchão (Digitaria horizontalis);
  • Capim-colonião (Panicum maximum);
  • Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica);
  • Guanxuma (Sida rhombifolia);
  • Corda-de-viola (Ipomoea sp.).

A molécula de pouca solubilidade fica na camada superficial do solo, controlando as plantas de sementes pequenas e com foco em gramíneas. Já a outra molécula conta com um espectro maior, controlando também as folhas largas, e possui maior mobilidade no solo, atingindo principalmente as sementes grandes que se encontram em maior profundidade.

A combinação de dois ingredientes ativos evita, ainda, a seleção de plantas daninhas resistentes, favorecendo o manejo antirresistência. Grover é fácil de manusear e pode ser utilizado em associação com qualquer outro herbicida em misturas.

Veja também:

Na Rota do Controle com Grover: resultados comprovados

Quer comprovar a alta performance do herbicida pré-emergente da Syngenta na cana-de-açúcar?

Foram realizados mais de 140 campos experimentais nas principais regiões produtoras de cana-de-açúcar do Brasil, que comprovam os excelentes resultados de controle e seletividade dessa solução. Confira:

 

A websérie “Na Rota do Controle com Grover” tem 11 episódios e você confere mais um episódio a seguir:

 

Para assistir à websérie completa e ver os resultados da aplicação de Grover em outras regiões brasileiras, clique aqui.

Grover é mais uma das soluções da Syngenta, que conta com um portfólio completo de ferramentas que auxiliam no desenvolvimento e nas boas práticas de manejo no campo.

Quer receber mais conteúdos como esses?

Inscreva-se e fique por dentro das novidades sobre produtividade.

Canais Syngenta